África Monitor

Acesso Livre

Angola: "Mudança" após saída de Santos vai "demorar anos"

Angola: "Mudança" após saída de Santos vai "demorar anos"


A vitória nas eleições de Agosto não deverá escapar ao MPLA, acredita o investigador britânico Justin Pearce. No momento da sucessão de José Eduardo dos Santos, o grau de abertura a introduzir no país pelo provável sucessor na presidência, João Lourenço, é uma incógnita para o investigador britânico. Contudo, acredita Pearce uma "mudança profunda" no regime, a acontecer, irá demorar anos.

Em declarações a Africamonitor.net à margem do lançamento em Lisboa do seu mais recente livro, Pearce sublinha as várias incógnitas em causa nas eleições gerais deste ano, começando pela crise económica motivada pela quebra do preço do petróleo em 2014. "Também vai ser a primeira eleição que não terá José Eduardo dos Santos como candidato. Mas acho que vai ser necessário de um período de alguns anos antes de vermos uma mudança profunda", afirma.

"Penso que o MPLA vai ganhar esta eleição. No futuro, pode ser diferente. Mas, embora o MPLA ganhe, acho que vamos notar algumas mudanças no espaço político e na vida política de Angola", diz ainda Pearce. 

Organizações como a Amnistia Internacional têm acusado o Governo angolano de violar os direitos humanos, reprimindo dissidentes políticos, como no caso do activista Luaty Beirão. Saber se a eleição de João Lourenço mudará a postura é, por agora, "muito difícil de saber", e só poderá ser aferido a partir do momento em que se tornar presidente.

O seu mais recente livro “A Guerra Civil em Angola 1975-2002”, agora lançado, é apresentado como a primeira grande investigação sobre a guerra civil no país, desde 1975 até ao final do conflito, em 2002. A partir de entrevistas com pessoas de distintos ramos, desde agricultores, professores, militares, militantes de partidos políticos e outros, Pearce pretende reconstituir a vertente humana da guerra civil, retratando a relação do povo angolano com os movimentos políticos, a sua percepção sobre o que estava em jogo, estratégias de sobrevivência e definição de uma identidade política, ainda hoje afectada pela desinformação, manipulação e, sobretudo, pelo medo.

"É o primeiro livro que tratou da questão de identidades políticas no contexto da guerra angolana", afirma Pearce ao Africamonitor.net. "Claro que outros estudos da guerra em Angola utilizam uma abordagem baseada no contexto da guerra fria, outros estudos com perspetiva do comércio de petróleo e diamantes, recursos minerais. Eu penso que esses estudos se esqueceram do papel dos próprios angolanos dentro da guerra, e é o que eu estou tentar a fazer com este estudo, e dar lugar à iniciativa angolana".

Justin Pearce é investigador associado à St John's Colleg e membro do conselho editorial do Journal of Southern African Studies. Ele concluiu o seu doutoramento em Oxford em 2011 sobre a mobilização política na guerra civil angolana. Posteriorment, fez o seu pós-doutoramento no ESRC na SOAS, Universidade de Londres. Antes, foi jornalista na África do Sul, Angola e no Reino Unido.