África Monitor

Segurança e Defesa

França disputa contratos militares angolanos com China e Rússia

França disputa contratos militares angolanos com China e Rússia

 
A Rússia é historicamente o grande fornecedor militar angolano, mas a China está a fazer pressão para conseguir contratos de fornecimento na área da Defesa. Com a visita a Luanda do presidente francês François Holande, de forte cunho empresarial, a França espera também disputar os próximos concursos.

A China surge disposta a uma aposta forte. Já manifestou interesse em abrir uma linha de crédito para apoiar em exclusivo a compra de equipamento militar chinês para as Forças Armadas Angolanas, segundo o Expresso. Mas o presidente angolano, José Eduardo dos Santos, mostra-se cauteloso.

O Africa Monitor Intelligence revelou que em consultas bilaterais recentes sobre a eventualidade da concessão de novos créditos ou avanços chineses em Angola, são notadas entre os mandatários chineses inéditas tentativas de imposição de condições. Entre elas avulta a entrada da China na área da cooperação militar - em especial, no fornecimento de equipamento.

Não há indicações de que as autoridades angolanas estejam inclinadas a aceitar tais condições, em especial uma entrada da China na área da Defesa. Mas são necessárias soluções que vão ao encontro da necessidade de ajudas chinesas – elemento determinante da recente viagem de Santos a Pequim, segundo o AM Intelligence.

Angola acordou recentemente a compra de aviões militares à Rússia, que estão a ser modernizados na Bielorrússia. Da Itália deverá vir equipamento de proteção e vigilância marítima e da Alemanha navios-patrulha, segundo avançaram ao Expresso fontes militares angolanas.

Nos anos 1980, a França chegou a ser um importante fornecedor de equipamento militar a Luanda, nomeadamente de helicópteros. Agora, o interesse da França está sobretudo na venda de caças Raffale, mas ainda haverá um longo caminho a percorrer.

A França chegou a estar na “lista negra” dos fornecedores militares angolanos, na sequência do “Angolagate”.