Africa Monitor

Análise

Leston Bandeira

Costa teve visita politicamente mais importante de um PM português a Cabo Verde em 40 anos

Costa teve visita politicamente mais importante de um PM português a Cabo Verde em 40 anos


Muitos estranharam que o primeiro ministro de Portugal, António Costa, tivesse escolhido Cabo Verde para a sua primeira visita oficial. Na conclusão da mesma, ficou claro que é o princípio da efectivação de uma estratégia, enunciada ao longo da campanha eleitoral e perceptível nesta sua primeira movimentação com o seu ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

A Europa olha para África como um foco de grandes preocupações - presentes, mas sobretudo, futuras. Portugal é, de entre os membros da União Europeia, um dos Estados com mais profundas ligações a África e pode, por isso, desempenhar um papel importante na tentativa de aliviar as tensões africanas.

É conhecida a especial atenção que a Cidade da Praia dedica à política externa. Não se pode esquecer que foi Cabo Verde que desenvolveu a estratégia diplomática para terminar com a presença de tropas cubanas em Angola, para garantir a Independência da Namíbia e, posteriormente, terminar com a guerra entre Angola e a República da África do Sul.

Esta viagem de António Costa é, no fundo, o princípio de uma aliança interessante para ambos os países e que pode estender-se a outros. Moçambique poderá mesmo ser o próximo passo táctico de António Costa, a que juntará o governo saído das próximas eleições cabo-verdianas.

Esta "aliança" pode funcionar também em relação à Guiné Bissau, onde, de novo, se entrou numa crise política perigosa, que já fez andar para trás algumas das vitórias dadas como certas ainda há pouco tempo: por exemplo ter deixado de ser visto como um "narco-Estado". De resto os dois primeiros ministros manifestaram uma “profunda preocupação” com o que se passa em Bissau, onde o Parlamento deixou de ter condições para cumprir a sua missão e o governo tem a oposição do presidente da República.

Além disso, a CPLP vai eleger, brevemente, o secretário executivo – numa altura em que os “Cinco”, para além dos problemas internos de cada um têm, para solucionar as questões levantadas com a adesão da Guiné Equatorial, cuja ligação a Timor Leste também é um problema. Esta eleição foi, evidentemente, discutida nos vários encontros.


Costa juntou-se aos cabo-verdianos, em vésperas de eleições legislativas, comemorou o ”Dia dos Heróis”, assinalando o 43º aniversário do assassinato de Amilcar Cabral, a que juntou, com o apoio das entidades cabo-verdianas, uma homenagem a António Almeida Santos, falecido dois dias antes.

Um homenagem a propósito, já que Almeida Santos foi o ministro que conduziu a descolonização e a de Cabo Verde tinha um problema grave para resolver porque Spínola entendia que o Arquipélago não devia ser independente mas ter um estatuto semelhante ao da Madeira e Açores. Almeida Santos foi dos que mais lutou para insistir no cumprimento total do programa do MFA: Cabo Verde devia ser um país independente.

António Costa encontrou-se com as mais altas individualidades da Cidade da Praia. Esteve
 também com os principais dirigentes partidários: Janira Hopffer Almada, presidente do Partido Africano para a Independência de Cabo Verde ( PAICV), candidata ao lugar de José Maria Neves, que deixou a presidência do partido e é apontado como possível escolha do PAICV para as eleições presidenciais, que também se irão disputar este ano, em data ainda desconhecida.

Do Movimento para a Democracia (MpD), partido do presidente Jorge Fonseca, esteve com Ulisses Correia da Silva, dirigente máximo e até há pouco presidente da Câmara Municipal da Cidade da Praia, cargo de que se demitiu para ser adversário de Janira nas eleições de 20 de Março. Ulisses evoca um certo paralelismo do seu percurso político com o de António Costa, pelo sua condição de ex-autarca e Janira evoca o facto de o PAICV e o PS fazerem parte de uma importante organização política: a Internacional Socialista.

Estas circunstâncias não são de somenos importância para os objectivos de António Costa, já que, antes de uma disputa eleitoral – que se adivinha renhida – estabelece contactos com os possíveis vencedores. As propostas apresentadas durante estes dois dias podem, portanto, ser enquadradas nas futuras projecções governativas de Cabo Verde, quer com o PAICV, quer com o MPD.


No final, ficou a proposta de que a CPLP se constitua num espaço de livre circulação económica e de pessoas e o desenvolvimento de uma cooperação em sectores específicos: energias renováveis, economia marítima e tecnologias de inovação. No domínio da cultura, a colaboração na concretização do Conservatório Nacional das Artes. 

Para António Costa, uma política externa que busque o centro e fuja abertamente da periferia permitira ter uma outra voz no seio da União Europeia e esse reforço conviria a toda a CPLP, sobretudo se houver a habilidade para solicitar a cada um a contribuição que mais convém para fortalecer o grupo.

Esta não foi apenas uma viagem de circunstância. Em quarenta anos deve mesmo ter sido a viagem mais importante, do ponto de vista político, de um governante português a Cabo Verde.