Africa Monitor

Análise

Jorge Heitor

Sai Indjai, ficam problemas por resolver na Guiné-Bissau

Sai Indjai, ficam problemas por resolver na Guiné-Bissau

Claro que foi muito bom saber que o general golpista António Indjai tinha deixado de ser esta semana Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas da Guiné-Bissau, mas a sua simples exoneração, e substituição pelo brigadeiro Biaguê Nan Tan, não resolve os múltiplos e antiquíssimos problemas do país.

Os antigos Combatentes da Liberdade da Pátria têm sido um empecilho para uma Guiné-Bissau inteiramente nova, que nada tenha a ver com as questiúnculas do tempo em que foi gerada e das suas primeiras décadas como país independente.

Sendo o brigadeiro general Biaguê Nan Tan um antigo vice-chefe do Estado-Maior do Exército, que entretanto passara efemeramente por chefe da Casa Militar do Presidente José Mário Vaz, não é de forma alguma uma personalidade alheia à oficialidade que nestes últimos anos tem estado na mó de cima, sempre pronta a interferir nos assuntos políticos.

Antigo Combatente da Liberdade da Pátria, portanto pessoa que há umas boas quatro décadas anda fardada, de armas na mão, não representa de forma alguma o sangue novo do que o país precisaria; uma classe castrense que fosse altamente profissionalizada e que não eivasse dos vícios que tanto prejuízo têm causado aos guineenses.

Chefe das brigadas operacionais das Alfândegas quando o actual Presidente, José Mário Vaz, era ministro das Finanças, o brigadeiro general Biaguê Nan Tan não será o oficial impoluto, relativamente jovem, de que o seu país precisaria para dar uma grande reviravolta nas estruturas militares, que se encontram absolutamente caducas.

Ao escolher um amigo, e um homem da etnia balanta, maioritária, o Presidente da República terá julgado proceder bem, mas é ainda muito cedo para se dizer se o escolhido tem condições para ficar muito tempo no cargo, antes de que a médio prazo surja uma daquelas intentonas em que a Guiné-Bissau é tão pródiga.

Antes de optar por este elemento da velha guarda, de uma velhíssima guarda que vem dos idos de 1973 e 1974, José Mário Vaz ouviu um Conselho de Defesa em que pontificam figuras tão pouco recomendáveis como o Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, general Papá Camará, cujo lugar deveria ser talvez atrás das grades, uma vez que já foi acusado a nível internacional de se encontrar implicado no narcotráfico.

Outro dos homens com assento no Conselho da Defesa é o vice-chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, general Mamadu Turé, "Nkrumah", tal como Papá Camará alvo de sanções da União Europeia, por ao longo dos anos não ter sabido respeitar o poder civil, mas antes alinhado em conjuras e em manobras golpistas.

Por tudo isto e por muito mais é que não deito foguetes quando leio que o general António Indjai foi finalmente exonerado da chefia do Estado-Maior General das Forças Armadas guineenses para dar o lugar a outro oficial general balanta, que não é jovem nem nos dá grandes garantias de se comportar de uma forma substancialmente diferente da de um qualquer Papá Camará, Mamadu Touré ou Daba Na Walna.

Para se salvar, a Guiné-Bissau precisa de reformas muito mais profundas, de há muito prometidas e de há muito adiadas. Esperemos que o Presidente José Mário Vaz e o primeiro-ministro Domingos Simões Pereira ainda tenham a oportunidade de as promover, antes de que novos Indjais se lhes atravessem no caminho.


*Jorge Heitor, que na adolescência tirou um Curso de Estudos Ultramarinos, trabalhou durante 25 anos em agência noticiosa e depois 21 no jornal PÚBLICO, tendo passado alguns períodos da sua vida em Moçambique, na Guiné-Bissau e em Angola. Também fez reportagens em Cabo Verde, em São Tomé e Príncipe, na África do Sul, na Zâmbia, na Nigéria e em Marrocos. Actualmente é colaborador da revista comboniana Além-Mar e da revista moçambicana Prestígio