Africa Monitor

Análise

Jorge Heitor

Novo governo e eleições evitadas (para já) em Bissau

Novo governo e eleições evitadas (para já) em Bissau


Depois de duas semanas de grande turbulência, o programa do Governo de Carlos Correia acabou por passar na Assembleia Nacional Popular da Guiné-Bissau, mas os narcotraficantes latino-americanos tudo farão para que o Estado guineense continue fraco, pois só assim servirá os seus interesses.

Com muita dificuldade, o PAIGC conseguiu substituir os deputados que não haviam inicialmente respeitado a disciplina de voto; e o programa governamental foi finalmente aprovado pela sua bancada, encontrando-se ausentes da sala os deputados do Partido da Renovação Social (PRS).

O Tribunal Regional de Bissau deu razão à mesa da Assembleia, que mandara substituir os deputados rebeldes, e evitou-se assim, pelo menos para já, que o Presidente da República, José Mário Vaz, procurasse constituir um novo executivo à revelia da direcção do PAIGC, partido maioritário; ou tratasse mesmo de dissolver a Assembleia Nacional Popular, marcando umas dispendiosas eleições antecipadas.

Toda esta turbulência tem vindo a ser assacada aos meios, incluindo os associados ao narcotráfico, que preferem na África Ocidental regimes fracos, altamente instáveis, de modo a que possam proceder a toda a espécie de manigâncias, em detrimento do interesse das populações.

Na Guiné-Bissau não se combate por ideais, mas sim por interesses, muitos deles alheios ao próprio continente africano. Cada político ou cada grupo de indivíduos procura beneficiar com os dinheiros disponibilizados pela comunidade internacional, com o abate das florestas e com as verbas inerentes ao narcotráfico que passa pela região, a caminho da Europa.

Não há princípios, nem noção de pátria, mas sim o salve-se quem puder, com uns quantos a tentarem sempre obter benefícios materiais, enriquecer, enquanto o país continua pobre, entre os 15 ou 20 mais pobres do mundo.
Sempre houve muitos erros na acção do PAIGC, conforme o reconheceu o seu próprio fundador, Amílcar Cabral, que deixou escrito que certas coisas que deveriam ter sido feitas não o foram na devida altura, ou até mesmo nunca.

Se isto já era assim há 43 anos, imagine-se hoje, depois da passagem pelo poder de muitas pessoas que não tinham, nem de perto nem de longe, a honestidade de Amílcar. Errou o PAIGC, errou o PRS, entretanto surgido, e erraram outros.

A Guiné-Bissau é um território de oportunidades perdidas, onde muitos dão mais valor aos laços étnicos e aos seus negócios do que à construção de um Estado viável, imune a pressões externas.

Os princípios definidos foram muitas vezes letra morta, de modo que, em solo guineense, o idealizado por Amílcar, e que Luís Cabral tentou levar à prática, ficou em grande parte no papel, enquanto a população continuou a sofrer.
Tem-se chamado ao PAIGC partido dos libertadores, porque conseguiu libertar o país da administração colonial portuguesa; mas não o libertou de forma alguma da miséria nem da falta de coesão nacional.

Quanto ao PRS, a segunda força partidária destas últimas décadas, é em grande parte um movimento étnico, para defender sobretudo os balantas, aos quais por vezes parece importar mais essa condição do que a de guineenses.

Só quando balantas, fulas, mandingas, manjacos, beafadas, papéis e todas as demais etnias se unirem, num grande esforço comum, ultrapassando as divergências do passado, é que a Guiné-Bissau se tornará viável e poderá realmente aproveitar as riquezas existentes no seu solo, subsolo e águas.

Enquanto isso não acontecer, aprova-se um programa de Governo mas não se consegue cumpri-lo; realizam-se eleições mas não se leva uma legislatura até ao fim; pedem-se verbas às grandes instituições internacionais e não se sabe aproveitá-las para o bem geral.
Pode-se e deve-se fazer mais, mais e melhor, para arrancar de uma vez por todas com uma pátria que há 42 anos patina, como se ainda estivesse a dar os primeiros passos.

Acabem-se com os aspectos negativos de certas tradições, como a de ver sempre no outro um inimigo, um adversário a abater. Deixe-se de destilar ódio nos escritos e nas palavras.

Só quando isso for feito é que poderá haver finalmente uma Guiné-Bissau, digna desse nome, a trabalhar em uníssono, num belo rincão da África Ocidental.


*Jorge Heitor é formado emEstudos Ultramarinos e trabalhou durante 25 anos em agência noticiosa e depois 21 no jornal PÚBLICO, tendo passado alguns períodos da sua vida em Moçambique, na Guiné-Bissau e em Angola. Fez reportagens em Cabo Verde, em São Tomé e Príncipe, na África do Sul, na Zâmbia, na Nigéria e em Marrocos. Actualmente é colaborador da revista comboniana Além-Mar e da revista moçambicana Prestígio