África Monitor

Acesso Livre

Manuela Ferreira

José Eduardo Santos quer soluções para jovens desviados “do caminho certo”

José Eduardo Santos quer soluções para jovens desviados “do caminho certo” 

 

 

Ao receber trinta dirigentes de organizações juvenis, o presidente angolano, José Eduardo Santos, incentivou o governo, partidos políticos, igreja e sociedade civil a trabalharem juntos para  encontrarem “soluções adequadas” para os jovens que se desviam do “caminho certo”.

Antes do encontro, alguns internautas questionavam como teria sido feita a escolha das associações juvenis que se deveriam  encontrar com o Presidente.

Algumas dessas associações têm causado sérias dores de cabeça ao governo, nomeadamente o Movimento Juvenil Revolucionário que convocou manifestações em Luanda, onde se confrontou com a polícia.

No princípio deste mês, instado sobre essas manifestações numa entrevista ao canal de televisão portuguesa SIC, José Eduardo dos Santos desvalorizou-as, relacionando-as com “grupos de jovens a exprimir certas frustrações”.

Ao receber sexta-feira os dirigentes das associações filiadas no Conselho Nacional da Juventude, o presidente descreveu o encontro como abrindo uma “nova página no diálogo com a juventude”.



Elogiou os cidadãos mais novos, declarando que “a imensa maioria dos jovens deste país tem uma consciência política e patriótica elevada, é educada, está consciente dos seus deveres e contribui para o desenvolvimento nacional”.
“É por isso que devemos trabalhar todos juntos - Governo, Partidos Políticos, Igrejas e Sociedade Civil - para recuperarmos todos os que se estão a desviar do caminho certo, estudando bem as causas desse comportamento e encontrando para ele as soluções adequadas”.
Relembrando o papel da juventude na luta armada contra o colonialismo e a África do Sul, José Eduardo dos Santos

sublinhou que, hoje , “a força activa, a força de trabalho para a mudança, continua a ser maioritariamente constituída por jovens”.

“ São sobretudo jovens os que estão nos nossos centros de formação profissional, nos institutos médios e superiores e nas universidades, se prepararam para o futuro”, disse.

Por seu lado, os jovens terão pedido ao Presidente da República um ensino de qualidade, habitações para jovens e políticas que os ajudem a encontrar trabalho.

Alguns analistas comentam que este discurso de encómios juvenis foi uma espécie de pedido de desculpas presidencial aos jovens, pela maneira como se referiu a alguns deles, na entrevista a uma televisão estrangeira,

Os mesmos analistas salientam que o encontro ocorreu um dia depois do segundo dos nove filhos do presidente, José Filomeno de Sousa dos Santos, 38 anos, ter sido nomeado presidente do conselho de administração do Fundo Soberano de Angola (anteriormente Fundo Petrolífero), que tem como objectivo o desenvolvimento de grandes projectos estruturais.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) recomendara há dias que o mandato e o quadro regulamentar do Fundo Soberano de Angola fossem claramente detalhados, para uma maior transparência.

José Filomeno Santos nasceu em Luanda mas viveu com a mãe na Suécia e no Reino Unido, quando ela ali trabalhou. Neste segundo país, estudou na Universidade Americana em Londres e na Universidade de Westminster, fez um mestrado em Finanças e. Gestão da Informação.


Ao voltar a Angola, trabalhou em várias empresas até se envolver no Banco Quantum, o primeiro banco privado angolano e noutras áreas de negócios.

Marcolino Moço, primeiro-ministro angolano entre 1992/96, pelo MPLA, mas agora militante do Bloco Democrático, referiu-se recentemente a ele como potencial sucessor do pai na presidência angolana.